Biblioteca Escolar

O CORREDOR DOS ENLATADOS NA AULA DE CIÊNCIAS

 
No Dia Mundial da Alimentação, a pequena história Confusão no Corredor dos Enlatados, de José Luís Peixoto, foi contada pela Professora Bibliotecária na aula de Ciências Naturais do 9º3.
Recolhemos algumas impressões e demos conta que, felizmente, os jovens têm consciência de que é preciso consumir de forma sustentável, economizar e ser solidário. Refletir e ter pensamento crítico sobre esta matéria nunca é demais!
“Aprendi a não desperdiçar comida e a aproveitar as sobras”
“ Gostei do facto da filha ter reparado no excesso de produtos que a mãe estava a levar...”
“ A mãe podia ter feito uma lista de compras!”
“ Podiam ter pensado nas pessoas que passam necessidades”
“A mãe chamou-a de Mimimi, abreviatura de todos os nomes que gostaria de lhe dar. Era muito indecisa.”
“Temos de analisar mais o que já temos em casa”
“Muitas vezes compramos coisas desnecessárias...”
“Gostei que a Mimimi ajudasse a mãe porque há muita gente que não tem paciência para fazer o que ela fez”
“Em vez de desperdiçar, a mãe podia fazer cabazes e distribui-los por instituições e associações que ajudam as pessoas”
Há outras pequenas narrativas que podes ler ou ouvir em
 https://zerodesperdicio.pt/livros/iniciar.html.
 

A BE vai à aula

Para comemorar o Dia da Alimentação – 16 de outubro - os alunos desta turma do Percurso Alternativo receberam de braços abertos a iniciativa proposta pela Biblioteca Escolar. No âmbito da disciplina de Português, leram o pequeno conto de José Luís Peixoto, colocaram questões sobre a história e, o mais importante, refletiram sobre o desperdício alimentar. Alguns alunos predispuseram-se mesmo a representar a obra ou excertos da mesma. Outros talvez façam um livro de receitas sobre aproveitamentos de comida. Ideias não faltam a estes alunos!
Vamos certamente voltar à sala do 9º4 - PCA.

LOUISE GLÜCK - Prémio Nobel da Literatura 2020

Segundo a Academia Sueca, Louise Glück é "uma das mais proeminentes poetas da literatura contemporânea americana". Tornou-se a 16.ª mulher a ser galardoada com o Prémio Nobel da Literatura. A escritora é a 3º norte-americana a receber o prémio e a primeira poeta dos Estados Unidos da América a ser laureada.
Louise Glück nasceu em Nova Iorque em 1943. Publicou o seu primeiro livro, "Firstborn", em 1968. Escreveu 12 coleções de poemas, para além de ensaios, tendo recebido vários prémios de prestígio, tais como o Pullitzer (1993) e o  National Book (2014).
Neste site, poder-se-á ler mais sobre a autora, ler e ouvir os seus poemas:
 https://www.poetryfoundation.org/poets/louise-gluck
October (section I)
Is it winter again, is it cold again,
didn't Frank just slip on the ice,
didn't he heal, weren't the spring seeds planted
 
didn't the night end,
didn't the melting ice
flood the narrow gutters
 
wasn't my body
rescued, wasn't it safe
 
didn't the scar form, invisible
above the injury
 
terror and cold,
didn't they just end, wasn't the back garden
harrowed and planted—
 
I remember how the earth felt, red and dense,
in stiff rows, weren't the seeds planted,
didn't vines climb the south wall
 
I can't hear your voice
for the wind's cries, whistling over the bare ground
 
I no longer care
what sound it makes
 
when was I silenced, when did it first seem
pointless to describe that sound
 
what it sounds like can't change what it is—
 
didn't the night end, wasn't the earth
safe when it was planted
 
didn't we plant the seeds,
weren't we necessary to the earth,
the vines, were they harvested?
 

MIBE - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

Hoje tivemos uma visita especial na BE!

No âmbito do projeto “LI E GOSTEI”, os alunos da turma 10º7, vieram escolher os livros para começarem desde já com as suas leituras. A professora bibliotecária, em conjunto com a diretora de turma, apoiou a seleção dos livros e a requisição das obras.
Houve mesmo quem tivesse começado ali a ler naquele instante!
LI E GOSTEI é uma atividade bimensal que pretende sobretudo promover os hábitos de leitura e escrita dos adolescentes. Insere-se no currículo e será avaliada nesse âmbito.
Há mais alguma turma interessada em participar neste projeto da Biblioteca?

4 de outubro - Dia Mundial do Animal

 
O Dia Mundial do Animal celebra-se anualmente a 4 de outubro. A data foi escolhida em 1931 durante uma convenção de ecologistas em Florença pelo facto do dia 4 de outubro ser o dia de São Francisco de Assis, o santo padroeiro dos animais.
O principal objetivo desta celebração é a sensibilização para a necessidade de proteger os animais e de preservar todas as espécies.
Também na Literatura, há muitas histórias que abordam a importância dos animais na vida das pessoas.

MAFALDA, a personagem carismática de QUINO

Quem nunca se divertiu a ler a BD da Mafalda?
Mafalda diverte porque a sua frontalidade chega a ser desconcertante. É uma adulta rebelde num corpo de criança que sabe o que quer e diz sempre o que pensa.
É uma menina inconformada e generosa. Luta por valores globais e pela justiça mundial.
Por isso é tão fácil de se gostar. E fácil de se ler.

Fernão a Ler

 
 
Queres participar num podcast com um profissional do teatro?
Queres gravar um texto que leste ou escreveste para mostrar ao teu professor?
Cumprindo todas as regras de segurança, podes fazê-lo na Escola.
Inscreve-te no "Fernão a Ler" em https://moveinesfmp.wixsite.com/movein/fern%C3%A3o-a-ler ou envia um mail com o teu nome e turma para biblioteca@esfmp.pt.
 
 
 
 

O OUTONO DOS POETAS

 
SE DESTE OUTONO
 
Se deste outono uma folha,
apenas uma, se desprendesse
da sua cabeleira ruiva,
sonolenta,
e sobre ela a mão
com o azul do ar escrevesse
um nome, somente um nome,
seria o mais aéreo
de quantos tem a terra,
a terra quente e tão avara
de alegria.
 

 Eugénio de Andrade
 
OUTONO
 
No entardecer da terra,
O sopro do longo outono
Amareleceu o chão.

Um vago vento erra,
Como um sonho mau num sono,
Na lívida solidão.
 
Soergue as folhas, e pousa
As folhas volve e revolve
Esvai-se ainda outra vez.
Mas a folha não repousa
E o vento lívido volve
E expira na lividez.
 
Eu já não sou quem era;
O que eu sonhei, morri-o;
E mesmo o que hoje sou
Amanhã direi: quem dera
Volver a sê-lo! mais frio.
O vento vago voltou.
 
 
Fernando Pessoa
 
OUTONO
Outono vem em fulvas claridades...
Vamos os dois esp’rá-lo de mãos dadas:
Tu, desfolhando as rosas das estradas,
E eu, escutando o choro das saudades...

Outono vem em doces suavidades...
E a acender fogueiras apagadas
Andam almas no céu, ajoelhadas...
E a terra reza a prece das Trindades.

Choram no bosque os musgos e os fetos.
Vogam nos lagos pálidos e quietos,
Como gôndolas d’oiro, as borboletas.

Meu Amor! Meu Amor! Outono vem...
Beija os meus-olhos roxos, beija-os bem!
Desfolha essas primeiras violetas!...
 
 
   Florbela Espanca
 
(...) E as mãos começam a tremer um bocadinho. E o trabalho começa a ser mais custoso. E um dia a gente já quase que não conhece a nossa cara no espelho no lavatório. É nesse dia, é nessa hora que começa o outono.(...)

José Luís Peixoto, in 'Cal' 

CONTA COM A BIBLIOTECA ESCOLAR

 
Num ano letivo cheio de incertezas e inseguranças, lembramos que a Biblioteca Escolar pretende sobretudo apoiar o trabalho do aluno e do professor no apoio ao currículo, no desenvolvimento de múltiplas literacias, na formação de leitores críticos e na construção da cidadania.
Para além do empréstimo de livros, a BE apresenta vários projetos em que te podes inscrever. Fica atento!
ILUSTRAÇÃO: PAULO GALINDRO